A oposição de Heliópolis leva Ricardo Maia ao palanque

Opositores do prefeito Ildinho em busca de mais apoio. (foto: Facebook)

A oposição resolveu dar um susto no prefeito Ildinho, neste último final de semana, ao se reunir na casa do prefeito de Ribeira do Pombal, Ricardo Maia. Lá estavam os mesmos personagens que pousaram na foto com o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Nelson Leal. Dá a impressão que estão fazendo um leilão do tipo “quem dá mais leva”, ou, se realmente desejam ganhar a eleição, correm contra o tempo para juntar o maior número de apoios possíveis. Com o palanque recheado de autoridades, a oposição quer recuperar o que perdeu e vencer o pleito do ano que vem.

Se o objetivo era rechear o palanque, ponto para a oposição. Ocorre que isso ainda não carimba o passaporte para a cadeira mais cobiçada do município. Vamos ser francos, Ricardo Maia não influencia o eleitorado de Heliópolis. A aliança que se propõem a fazer é extraordinária para Ricardo, mas não traz votos para a oposição. A grande sacada eles não querem entender: Ildinho está caminhando para ser o último prefeito da velha política. Ninguém mais engole a velha troca de favores, recheada pelo investimento de um grande patrocinador. Falta ainda aos opositores de Ildinho um candidato moderno, e não precisa ser necessariamente novo. E isso também vale para Ildinho: seu sucessor tem que representar a nova política, ou pelo menos se aproximar disso.

Ninguém está aqui fazendo julgamento de valor, mas estudando aquilo que vem das ruas. Ninguém elegeu Bolsonaro pelas qualidades dele, mas por aquilo que ele poderia acabar. Chegaremos ao tempo do voto nos competentes e de nova mentalidade, mas, por enquanto, vale a representação. Que me perdoem os opositores de Ildinho, com raríssimas e honrosas exceções, os que estão faltando na foto, estão encastelados em alguma CC na prefeitura de Heliópolis. Todos fazem a mesma política, do mesmo jeito, desde 1985. O eleitorado que quer o novo ainda é minoria em Heliópolis, mas decidirá a eleição por aqui.

Agora, se a oposição apenas queria fazer raiva ao prefeito não conseguiu também. Entretanto, pelo que colhi, Ildinho está triste. Ele chegou a dizer para aliados que não esperava isso de Ricardo Maia. Mas isso passa, prefeito. A garganta dele é grande. Lembrem que conseguiu engolir Zé do Sertão como seu vice, agora pousando ao lado de José Mendonça Dantas, inimigo de colocar revólver na cabeça. Todas essas mágoas são choradas sem lágrimas, flores sem perfume, luar sem lua. Também preciso lembrar que são todos irmãos: votam no mesmo governador, no mesmo presidente, nos mesmos senadores. É briga de família!

Tenho certeza de que a briga será boa para deputado, e uma guerra para deputado estadual. Só na oposição há três eleitos: Fátima Nunes, Nelson Leal e Sandro Régis. Será que Ricardo Maia vai entrar nessa briga, arranjar inimigos na família para ter a menor parte de algo em torno de 3 mil votos no total? Ele sozinho, pela vizinhança, pelo nome que fez na Prefeitura de Ribeira do Pombal, teria algo em torno de 15% desse número. Para entrar nessa luta, não veio para levar pouco. É de se pensar que Nelson Leal e Fátima Nunes estão rifados.

De toda forma, podem até dizer que a oposição está jogando mal. O que ninguém pode negar é que ela está se movimentando, jogando com as armas que tem e com a sabedoria adquirida nesses mais de trinta anos. Não há nada de novo nesse jogo e, mesmo que não dê voto, reascende a esperança daqueles que imaginavam que a oposição estava morta e ascende a luz amarela dos que pensam que a minissérie da política de Heliópolis não terá uma nova temporada.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta