A sergipana que quer a independência da Catalunha

Gracinha se elegeu pela ERC e será a 1ª brasileira no Parlamento Espanhol

Gracinha está entre os 15 deputados eleitos da ERC (foto: bp.blogspot.com)

Daria tudo para ser o enredo de um romance, com perspectivas para virar um filme épico, a história de uma aracajuana da gema que virou deputada do Parlamento Espanhol.  A própria vida se encarregou de construir esta narrativa e a protagonista é Maria das Graças Carvalho Dantas. Empregada como Delegada Adjunta da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe, formada em direito e com um filho, Gracinha resolve ir para a Espanha fazer uma especialização em Direito do Meio Ambiente. Era o ano de 1994 e ela somava 24 anos. Lá se vão 25 anos vivendo na Catalunha e fazendo história. É a primeira brasileira a ocupar uma cadeira no parlamento daquele país.  

Para localizar o leitor, Gracinha, como é mais conhecida, é prima de Sérgio Dantas, professor e proprietário do Colégio Módulo, em Aracaju. Seu 1º filho é Tiago Lee, hoje com 31 anos, nascido do seu primeiro relacionamento, engenheiro e escritor, que ficou por aqui quando a mãe partiu para a aventura europeia.  Em entrevista ao jornal O Globo, revelou que quando chegou à Espanha passou uns 15 ou 16 anos trabalhando como empregada doméstica, babá, passeando com cachorro, ajudando idosos, garçonete, professora de português. E que, nos últimos anos, trabalhou como auxiliar administrativa no departamento financeiro de uma empresa.

– Quando cheguei à Espanha era a imigrante sem papéis. (…) Saía das aulas do doutorado e ia limpar latrina. Tinha que alimentar minhas duas filhas – conta Dantas, mãe de Victoria e Natalia, hoje com 23 e 21 anos, que nasceram em Barcelona, de sua segunda relação, também com um brasileiro.

Maria das Graças foi eleita pelo partido Esquerda Republicana da Catalunha (ERC), que luta pela independência daquela região espanhola. Seu perfil político é de ativista dos  movimentos sociais, aos quais se uniu ao chegar à Espanha, contra a xenofobia, o racismo, o fascismo, a LGTBIfobia, e pela imigração e os direitos humanos. Será, pois, a primeira deputada brasileira no Parlamento espanhol e fará 50 anos no dia 21 de maio, data da constituição das novas Cortes Gerais – Câmara e Senado.  

Na mesma entrevista a O Globo, Gracinha disse que tal ativismo deu a ela algumas ferramentas para utilizar na via institucional no combate à extrema direita. “Isso, unido ao meu conhecimento sobre o que os imigrantes vivem ao chegar aqui, fez com que eu aceitasse esta candidatura – explica Dantas. Ao responder como nasceu o sentimento independentista, Gracinha disse que foi um processo. “A maioria dos brasileiros que chega aqui não entende o que acontece na Catalunha. O único que eu conhecia daqui era o filósofo Ramón Llull (Mallorca, século XIII, conhecido por ser um dos pioneiros a escrever em catalão), porque estudei no curso de Direito. E que Barcelona tinha sido sede olímpica. Eu sabia que se falava outro idioma, mas pensava que era algo residual. Tive um baque ao ver que todo mundo falava catalão e também castelhano.”, concluiu.

Nas eleições do último domingo (28), o partido do primeiro-ministro Pedro Sánchez – PSOE – Partido Socialista Operário Espanhol – conseguiu maior número de cadeiras no Parlamento. No entanto, precisará fazer coalizão com siglas menores para garantir permanência no governo. Já está certo sua aliança com o Unidas Podemos. Juntos, eles terão 165 deputados dos 350 possíveis. É menos, portanto, do que os 176 necessários para garantir a maioria no Parlamento. A coalizão de esquerda precisará do apoio de algumas das siglas menores, inclusive da ERC de Gracinha, liderada por Oriol Junqueras, que passou a ter 15 cadeiras no Congresso dos Deputados.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta