Bolsonaro acha mesmo que somos um país de maricas?

Mais um Bolsonaro envolvido em polêmica. (foto: Poder 360)

O episódio envolvendo o filho de Jair Bolsonaro, explicitando descaradamente tráfico de influência no governo da República, é a prova mais clara de que o presidente trata o povo do seu país com um bando de maricas. O ex-presidente Lula disse que seu filho era o Ronaldinho das finanças quando, de repente, um trabalhador de zoológico aparece como empresário brilhante. Eleito para combater tal falácia, Bolsonaro está agora envolvido com uma empresa que promove, de graça, a empresa de Renan Bolsonaro, seu filho. 

Hoje, o deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) pediu à Procuradoria da República do Distrito Federal para investigar se Renan Bolsonaro cometeu tráfico de influência e lavagem de dinheiro. Embora o deputado não tenha feito o mesmo procedimento na época do Lulinha, a atitude é pertinente. Foi o jornal Folha de São Paulo que revelou ser a produtora Astronautas Filmes, a mesma que realiza trabalhos para o governo Bolsonaro, a que produziu, gratuitamente, filmagem e fotografia da inauguração da empresa do filho caçula de Jair Bolsonaro. A Astronauta tem contratos de R$ 1,4 milhão com o governo federal.

Ivan Valente acusa Renan Bolsonaro de “usar sua influência como filho do presidente para favorecer interesses privados junto ao governo federal”, revelou o portal O Antagonista. Disse mais: “O governo Bolsonaro é corrupto e reproduz as piores práticas do patrimonialismo […] Tiram proveito do Estado na cara dura!”, postou o deputado no Twitter. O presidente aposta num país de maricas. No Ministério Público, nada foi aberto até o momento.

 

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta