Bolsonaro ainda não pagou as vacinas ao Butantan

Governo Federal gasta dinheiro com coisas inúteis, como um portal inteiro indicando um tratamento que não existe. (Foto: MS)

Só Jair Bolsonaro consegue ser pior que o próprio Jair Bolsonaro. Parece que ele disputa com ele mesmo, todos os dias, quem consegue fazer mais besteiras: o Bolsonaro de ontem ou o Bolsonaro de hoje. Será imbatível como o pior de todos os presidentes da história do país. E para não dizer que estamos jogando conversa fora, acreditem, apesar de todo o discurso de que a vacina do Butantan não é de governador algum, mas do Brasil, ainda não pagou a dívida com o instituto. As vacinas já chegaram aos diversos rincões do país, o que não é tarefa fácil, mas o Butantan ainda não recebeu pelo pagamento das 6 milhões de doses da Coronavac.  

Apesar disso, como se trata de um governo pouco a vontade com a ciência, Bolsonaro já pagou R$ 89.597.985,50 para aquisição de cloroquina, hidroxicloroquina, Tamiflu, ivermectina, azitromicina e nitazoxanida. Havia até um portal para indicar tais remédios no tratamento precoce da Covid-19, orientando médicos a adotá-los. Qualquer pessoa poderia acessar as informações. Era verdadeiramente o portal de incentivo a estes remédios inoperantes contra Covid-19. O portal foi tirado do ar nesta quinta-feira (21) e uma enxurrada de processos serão abertos contra o governo brasileiro. Ainda não se sabe quanto o pais gastou com uma plataforma que não serve para nada, enquanto as vacinas já foram aplicadas e são comprovadamente eficientes. Bolsonaro parece que não gosta de gastar com coisas que salvam vidas.

Com informações da BBC Brasil, G1 e O Antagonista.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta