Chuva volumosa castiga Salvador

Em menos de dez horas choveu em Salvador mais da metade do previsto para o mês de novembro. (foto: Metro1)

Salvador amanheceu hoje sob intensa chuva, que começou desde a madrugada desta terça-feira (26). O toró está sendo tanto que fez a cidade atingir o nível esperado para todo o mês de novembro, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Somente nas últimas nove horas, já choveu cerca de 65,2 mm, como informou reportagem do Correio 24 horas.

Segundo a meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Claudia Valéria Silva, a chuva que cai na capital já atingiu o total previsto para todo o mês de novembro, que era de 106 mm.  Até a última atualização do sistema de previsão do Inmet, o total previsto para o mês foi atingido às 9h (contando a partir de 0h), com 105,7 mm de chuva acumulada. E a chuva deve continuar para o resto do dia em toda a cidade e região metropolitana.

Segundo o relatório divulgado pelo Centro de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil (Cemadec), atualizado até às 9h06, nas últimas 12 horas o bairro com maior acúmulo de chuva foi Bom Juá, com 153,4 mm registrados, seguido de Santa Luzia (146,8 mm), e Liberdade (146 mm). As sirenes de emergência foram acionadas nas localidades da Baixa de Santa Rita, Calabetão, Bom Juá, Vila Picasso, Voluntários da Pátria e Baixa do Cacau.

O diretor-geral da Codesal, Sosthenes Macedo, reforçou o pedido para que as pessoas que moram nos locais onde as sirenes foram acionadas que deixem suas casas e procurem locais seguros. “As comunidades que estão em áreas de risco devem evacuar suas residências e procedam sua ida para locais seguros. Há uma mudança de nível para alerta máximo, devido a uma notificação do Cemadec de risco alto para deslizamentos e chuva muito forte para as próximas horas do dia”, declarou.

Muitas pessoas do interior, que foram à capital para consulta, perderam a viagem. Muitos profissionais médicos sequer conseguiram sair de casa. Resta agora torcer para que a situação melhore e estas pessoas consigam retornar aos seus lares. Há muita água acumulada na Avenida ACM, Avenida Cônego Pereira, que dá acesso à Sete Portas e também no Vale do Canela. Há previsão de que a chuva possa se deslocar para o semiárido do nordeste baiano, mas com bem menos intensidade.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta