Dário Jacó – Dário Jacob Santos

Dário Jacob Santos (1927-2000)

Dário Jacob Santos nasceu num domingo de Páscoa chuvoso, em 17 de Abril de 1927, na Fazenda Massaranduba, município de Heliópolis-BA. Caçula dos quinze filhos de Claudiano Jacob de São José (conhecido como “Sr. Coló”), e Josefa Francisca dos Santos, tinha como irmãos: Demétrio, Mariana, Antônio, Maria, Sinésio, Alvina, José & Maria (Lia) gêmeos, Claudomiro (Colozinho), Virgínia, Izabel (Bezinha), Josefa (Zifinha), Abel Jacó (Ex-prefeito de Simão Dias e deputado estadual por Sergipe) e Josefa (Juza). Por 30 anos (1940-1960) exerceu a profissão de alfaiate nas cidades de Simão Dias-SE e posteriormente em Salvador-BA, onde conheceu aquela que foi sua esposa, Maria Valderez Carvalho, seu eterno amor, desposando-a em 27 de Março de 1965. Neste mesmo ano retornou a sua terra natal, Heliópolis, onde passou a trabalhar como agricultor até a data da sua morte, em 20 de Novembro de 2000. Foi vítima de um ataque cardíaco fulminante, ocorrido no lugar onde ele mais se sentia bem e viveu boa parte dos seus últimos dias, a casa dos pais onde nascera e cresceu. Do seu casamento, nasceram seis filhos: Gil Jacó, Gildário Jacó, José Carlos Jacó, Cláudio Jacó, Gilberto Jacó e Delmira Jacó.

Dário Jacob, além da esposa e filhos, tinha três outras grandes paixões: 1) A música, cujo gosto refinado e eclético o fazia surfar nas ondas mais variadas dos ritmos e estilos musicais, tendo destaque nas suas escolhas cantores de renome nacional como Orlando Silva, Paulo Sergio, Roberto Carlos, Nelson Gonçalves, Luiz Gonzaga, Zé Ramalho, entre outros, bem como artistas reconhecidos no cenário mundial como Elton John, Bob Dylan, Paul Simon, Art Garfunkel, Peter Tosh, Paul Anka, Bob Marley, Ray Charles, Ray Connif entre outros. Era prática comum aos domingos separar o dia para polir seus discos de vinil e ouvir música de qualidade no sossego do lar, ao lado da prole. 2) A política, um admirador nato. Era daqueles que não perdia um comício dos seus candidatos preferidos e estava sempre acompanhando as informações a nível nacional, estadual e municipal. Direitista Conservador de primeira ordem, era Carlista com orgulho e tinha grande admiração pelo Prefeito José Dantas de Souza (Sr. Nozinho) em escala local. 3) Porém não menos importante paixão, era seu amor pelo futebol. Estabelecer uma máxima até engraçada, que sempre repetia, segundo a qual “o cúmulo do azar é morrer às vésperas de uma Copa do Mundo de Futebol” (detalhe: ele morreu exatamente entre duas copas, a de 1998 e a de 2002). Nutria um amor incondicional pelo Esporte Clube Bahia, time pelo qual se apaixonou quando residente na capital baiana, cujo orgulho maior era de ter conseguido passar esse amor à esposa e filhos (exceto Claudio Jacó, que é Vitória) o que fazia brilhar os olhos por tamanha conquista. No mais, Sr. Dário Jacob deu um grande exemplo de honradez e caráter durante a sua existência, e esses princípios têm norteado a vida da sua descendência.

Texto de Giberto Jacó e Claudio Jacó.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta