Doença parecida com Calazar assusta médicos sergipanos

Roque Almeida: “A gente não vê essas coisa com frequência em Sergipe.” (foto: Arquivo pessoal)

Uma reportagem do jornalista Carlos Madeiro, publicada no portal Viva Bem, do UOL, aumentou as preocupações dos médicos sergipanos com a saúde. É que uma mutação de um protozoário da família Crithidia é responsável por casos de uma doença similar a leishmaniose visceral, conhecida mais popularmente por Calazar. Os médicos estão assustados em Sergipe. O novo parasita, chamado Cridia sergipensis, ainda está em estudo, mas sabe-se que está causando infecções graves. O problema é que não há detalhes das formas de contaminação ou tratamento. O novo parasita pode ajudar a entender por que Sergipe tem a taxa de mortalidade mais alta de Calazar no país, com mortes em até 20% dos casos.  

Casos de pacientes do HU – Hospital Universitário – da UFS – Universidade Federal de Sergipe, a partir de 2011 estão sendo estudados e apontam que, em mais da metade das infecções, havia na verdade a presença do novo parasita —sozinho ou em conjunto com a Leishmania infantum, agente causador da Calazar. A certeza dos cientistas é que os casos suspeitos recentes no estado têm apresentado uma gravidade acima do esperado para a leishmaniose convencional, o que indica que pode haver contaminação do novo protozoário.

Atualmente existem três pessoas com suspeitas da doença internadas em estado grave em Sergipe —uma delas portadora do vírus HIV. “Um caso é de uma criança que tratou, mas teve recidiva e está abarrotada de parasita na medula. A gente não vê essas coisas com frequência, e nos preocupa porque a gente começa a ter casos graves”, afirma Roque Almeida, imunologista e chefe do Laboratório de Biologia Molecular do HU da UFS. A descoberta inédita do novo parasita foi publicada em artigo na edição de novembro do periódico científico “Doenças infecciosas emergentes”, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, do Departamento de Saúde dos EUA.

Para ler a reportagem completa, dê um clique A Q U I.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta