Garimpeiros matam cacique e índios do Amapá estão em guerra

Índios no Amapá estão em pé de guerra contra garimpeiros (foto: Estadão)

Garimpeiros armados com metralhadoras invadiram a aldeia indígena Waiãpi, na região de Pedra Branca do Amapari, no Amapá, segundo informação colhida no jornal Correio Braziliense. De acordo com informações de líderes locais, um cacique foi morto durante o conflito. Mulheres e crianças precisaram fugir para outra aldeia, enquanto os homens ameaçam enfrentar os invasores.

Diante do risco de um conflito mais violento, equipes da Polícia Federal e da Polícia Militar do Amapá foram enviados para a região no começo da noite deste sábado (27/7). O trajeto é feito de barco e o acesso a cidade leva cerca de três horas, partindo do centro de Pedra Branca.

De acordo com a prefeita do município, Beth Pelaes, as autoridades foram avisadas por telefone da invasão. “São 50 garimpeiros fortemente armados. Temos a informação de que houve um tiroteio. A PF e o Bope estão a caminho. É uma coisa atípica em nosso estado. Estamos preocupados, pois os índios disseram por telefone que iriam enfrentar os garimpeiros. Orientamos eles a não fazerem isso”, disse.

“Ao final da ligação eu fiquei emocionada quando me falaram que uma liderança teria sido morta”, disse. De acordo com informações obtidas pelo Correio, a invasão teria ocorrido há dois dias, quando o cacique foi assassinado. Os homens foram para a mata e ameaçaram voltar nesta noite, caso os nativos não tivessem deixado a região. No momento, não haveria conflito.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), divulgou vídeo nas redes sociais dando conta de que foi avisado por um vereador, e entrou em contato com o Ministério Público para informar o caso. “Recebi as informações pela manhã, de um vereador da região. Ao longo do dia fui informado que o cacique foi morto a facadas. A região é muito isolada”, disse o parlamentar.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta