Inauguração de aeroporto virou disputa de mimados e quem perde é a Bahia

Briga pela inauguração do aeroporto de Vitória da Conquista virou disputa de mimados (foto-montagem: Contraprosa)

Está difícil falar algo diferente quando tudo está polarizado, mas a briga que envolve a inauguração do Aeroporto de Vitória da Conquista não interessa à Bahia. Não foi o PT nem Bolsonaro que construíram o aeroporto. Foram os governos da Bahia e do Brasil. Bolsonaro e Rui Costa são passageiros, PT e PSL são partidos, nem mesmo inteiros são. Não dá para entender como não é possível colocar a Bahia em primeiro lugar, deixando a politicagem para depois. Jair Bolsonaro é o Presidente da República e devia se portar como tal. Por sua vez, Rui Costa, como governador e anfitrião, deveria ter mesmo comportamento de estadista. Agem, infelizmente, como dois meninos mimados disputando um doce que, por sua grandeza, daria para que os dois pudessem provar.

Transformaram a política numa disputa de facções, a ponto de fazer o povo imaginar que se trata de uma briga de território entre Milicianos X Corruptos. Ficou pior que disputa provinciana de uns poucos municípios nos grotões do Brasil. Até mesmo ouso dizer que a política em Poço Verde ou Heliópolis é superior. Pelo menos, nas visitas de governadores e outros de alto escalão, governo e oposição mostram as caras, disputam espaço e dizem porque estão ali. Isso é democracia, mesmo que em alguns instantes possa parecer puxa-saquismo. Pelo menos não é nociva ao município. O que o nosso presidente está fazendo com o seu cargo é ridículo, mas, ao invés de dar exemplo, Rui Costa, mais uma vez (a primeira foi não ter ido à posse de Bolsonaro) dá demonstrações de que pensa igual ao presidente. Isso é mais gasolina nesta polarização, que pode até dar frutos políticos passageiros, mas está longe de beneficiar o povo e não trará nenhum benefício para a Bahia.

A coisa chegou a tal ponto, que o prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão (MDB), mandou tirar outdoors do governo da Bahia em que anunciava a inauguração do aeroporto na cidade – que homenageia o cineasta Glauber Rocha – com o objetivo de boicotar o governador Rui Costa (PT). Gusmão pretendia receber nesta terça-feira (23) o presidente Jair Bolsonaro e convocar manifestantes para vaiar o governador e ovacionar o presidente durante a abertura do aeroporto. É inacreditável tal medida e beira o provincianismo. Por outro lado, o governo da Bahia fez as placas de propaganda sem nenhuma referência ao governo federal, de onde vieram quase todos os recursos, na época dos governos Dilma e Temer.

Rui Costa, em vídeo, chegou até a reconhecer que foi o governo Temer quem concluiu a obra, mas precisa entender que quem está no cargo é quem inaugura. Por outro lado, Jair Bolsonaro não consegue ficar um dia sem fazer asneiras. A fala sobre os nordestinos foi o argumento central usado por Rui Costa para dizer que não iria ao evento, dizendo que “eles” queriam uma inauguração só para convidados, portanto, sem a presença do povo.

Fato é que o presidente da república não engoliu ainda a ausência dos governadores do Nordeste na sua posse e quer dar o troco. Ele ainda não entendeu que ele precisa dar o exemplo. Esta briga não interessa ao país e acabará colocando o Brasil numa disputa insana entre Nordeste e Sul. Jair Bolsonaro precisa entender que ele é presidente de todos e tem que agir coimo tal. Os governadores também precisam deixar de lado a politicagem, mas é o presidente quem precisa fazer a jogada inicial. Só teremos governança quando todos colocarem a Constituição como parâmetro global, e não a usar apenas quando for conveniente.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta