Instituto americano prevê 165 mil mortes por Covid-19 no Brasil

A pandemia parecia controlada, até que o governo resolveu não levar a sério (imagem: Guia da Farmácia)

No dia 13 de maio passado, o Institut for Health Metrics and Evaluation – IHME – dos Estados Unidos, que baliza as políticas sanitárias americanas, estimava que o Brasil atingiria o pico de casos de Covid-19 em 2 de junho, com um total máximo de 203.985 casos, informação divulgado no portal O Antagonista. Disse o IHME que, depois de 2 de junho, a epidemia começaria a desacelerar no país, baixando para 103.343 casos em 4 de agosto. O pico de mortes seria em 27 de junho, com 1.024 óbitos em 24 horas. Em 4 de agosto, seriam contabilizados 757 óbitos. Essa estimativa foi baseada nos dados oficiais que estavam sendo fornecidos pelo Ministério da Saúde do Brasil.

Sem confiar muito nos números do Ministério da Saúde, com claros casos de subnotificações, o IHME fez também um projeção considerada catastrófica: em 2 de junho, poderíamos ter o máximo de 618.152 casos, e o pico de mortes, em 27 de junho, chegaria a 2.646 óbitos num único dia. Nesse cenário mais pesado, em 4 de agosto, teríamos 194.307 casos, com até 1.584 mortes nas 24 horas precedentes. Vale salientar que, na estimativa baseada nos dados oficiais, o Brasil atingiria, em 4 de agosto, um total de 88.305 mortes por Covid-19. Na projeção mais pessimista, o número de óbitos poderia chegar a 193.786.

No dia 3 de junho, que reúne os números até o dia 2, oficialmente, o Brasil atingiu 584.016 casos. A previsão catastrófica de 618 mil casos foi atingida em 4 de junho, dois dias depois. Agora, o instituto americano refez os seus cálculos e prevê que o Brasil pode ter mais de 165 mil mortes por Covid-19 até agosto, com um pico de 5 mil óbitos em um único dia. E imaginar que chegamos a ser um exemplo no combate à pandemia. Hoje sofremos por termos o homem errado, na hora errada, no lugar errado, que á a cadeira da Presidência da República. Só nos resta torcer que o IHME esteja redondamente enganado. 

O Brasil já tem 36.044 mortes registradas por Covid-19, 114 a mais do que anunciado pelo Ministério da Saúde. Os dados foram atualizados pelas secretarias estaduais de saúde. Ontem tivemos 1.018 mortes em um só dia, número que sempre é menor nos fins de semana. Também tivemos 27.189 novos casos de Covid-19, totalizando 672.960 infectados em todo o país. 

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta