Marquinhos Fontes é assassinado ao lado da mãe em Heliópolis

José Marcos Alves Fontes tinha 44 anos

Já passava das 16 horas desta quarta-feira (4) quando dois homens numa moto, ambos com capacetes, posicionaram-se diante da casa de nº 66, na esquina da Praça Honorina Alves com a avenida Salustiano Leitão Guerra, na saída para o povoado Raspador, em Heliópolis. Enquanto um deles ficava no controle da moto, outro desceu e da calçada disparou vários tiros contra José Marcos Alves Fontes, conhecido como Marquinhos. Foram vários tiros, alguns deles deixando marcas nas paredes da casa de Dona Paulinha, mãe de Marquinhos, que estava ao lado do filho na varanda da casa. Marquinhos havia chegado instantes antes, deixado seu carro estacionado na praça e adentrado na casa da mãe.

Na hora do fato, José Marcos ainda tentou fugir para o interior da casa. Como foram vários disparos, muitos atingiram a vítima que chegou ainda até o interior da residência, onde tombou morto. Marquinhos tinha 44 anos, nascido em 4 de outubro de 1975, natural de Heliópolis, filho de Dona Paulinha e de seu Florentino, família conhecidíssima em Heliópolis e de prole numerosa. Ainda não se tem notícia do que motivou tal assassinato. O que a polícia apura é se a profissão de Marquinhos, caminhoneiro, tem algo a ver com sua morte. Outro fato que está sendo investigado é ser a vítima informalmente um agiota. Ninguém da família deu alguma pista ou demonstrou saber algo que revele um nexo em tudo isso, mas há muita revolta pelo fato de a matriarca ter assistido ao próprio filho ser abatido diante dos seus olhos. Marquinhos Fontes residia em Poço Verde, era casado e não deixou filhos, segundo nos informou José Alves, um dos seus irmãos. Entretanto, um e-mail enviado à redação do Contraprosa, de mauricio.fontes.mf@gmail.com, assinado por Maurício Cruz Fontes, corrige a informação: ” Olá, gostaria de uma correção a respeito da nota de falecimento de Marquinhos Fontes. Ele possui sim um filho registrado em cartório, chamado Maurício, que reside em Feira de Santana”.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta