Menina epiléptica está grávida aos 10 anos

Cidade do Acre é palco de mais uma tragédia humana (foto: divulgação)

Apesar do tempo em torno do Natal e da passagem do ano nos trazer esperanças renovadas de fé na raça humana, fatos insistem em nos forçar a colocar de novo com os pés no chão e perceber que ainda estamos longe de viver numa sociedade perfeita. Notícia vinda do interior do Acre, na região norte do Brasil, diz que uma menina de 10 anos está grávida de cinco meses, portadora de epilepsia, e o suspeito do estupro de vulnerável é o vizinho. Caso aconteceu em Tarauacá – AC. Médicos e membros do Conselho Tutelar convenceram o pai da grávida a autorizar um aborto, mas ele, depois de permitir, desistiu da ideia.   

Mal completados dez anos de idade, a menina de Tarauacá foi para Cruzeiro do Sul, também no Acre, em busca de meios para fazer um aborto. Grávida de cinco meses, ela não disse quem era o pai da criança, já que a própria revelou ter se relacionado sexualmente com vários homens na época da gravidez. A revelação foi feita pela vereadora de Tarauacá, Janaína Furtado (Rede). O caso foi investigado a partir de denúncias do Conselho Tutelar do Município. A gravidez, embora as relações sexuais tenham sido consensuais, segundo a menina admitiu, virou caso de polícia porque pela idade, a gravidez é caracterizada como estupro de vulnerável.

A partir de informações, a Polícia Civil do Acre prendeu, dia 20 de dezembro, um autônomo e vizinho da criança de 10 anos que está grávida. O homem, que tem em média 30 anos, foi ouvido pelo delegado Ricardo Casas e levado ao presídio de Tarauacá. A polícia ainda não tem certeza de que o acusado é realmente o pai da criança.

O caso surpreendeu os médicos e está sendo acompanhada pelo Conselho Tutelar, pelo Tribunal de Justiça e pelo Ministério Público do Acre (MP-AC). A investigação é da Polícia Civil de Tarauacá, cidade onde a menina vive com o pai e uma irmã. A mãe da criança vive em um seringal na cidade de Jordão. Ainda em depoimento, o suspeito pediu para ser submetido a exames de DNA para comprovar ou não a paternidade.

A direção do hospital de Cruzeiro do Sul disse que a menina passou por exames médicos que constataram que ela e o bebê também estão bem de saúde, mas que é aconselhável fazer um aborto. O diretor da maternidade explicou que, como a menina é muito nova, a opção nesses casos é que o bebê seja retirado antes de a gravidez chegar a 41 semanas. Para piorar o drama humano, a menina é portadora de epilepsia. O Conselheiro Tutelar de Tarauacá, Antônio de Souza Castro, disse que a criança grávida tem epilepsia e que o hospital de Tarauacá não tem estrutura necessária para atender o caso. “Corre o risco, porque ela tem epilepsia. Tarauacá não tem estrutura para um parto como esse. Ela será acompanhada, vai fazer o pré-natal no posto de Saúde e depois volta para Cruzeiro do Sul para a fazer o parto”, explicou.

O pai de uma menina que engravidou não autorizou a interrupção da gestação. O diretor do hospital de Cruzeiro do Sul, Rafael Gomes, disse que a garota, que está grávida de cinco meses, deu entrada na unidade de saúde com o pai. Mas, depois de três dias de conversa com a equipe médica, o homem voltou atrás e não quis que a filha fizesse a cirurgia. O conselheiro Antônio de Souza Castro disse que o pai da menina assinou o documento autorizando o aborto, mas depois teria relatado que foi forçado a assinar. “Ele não foi forçado, ele foi orientado dos riscos e levou 24 horas para assinar esse documento, por isso que deu esse protocolo, essa demora, ele não queria assinar no primeiro dia.”

Fato é que os médicos veem duplo risco na possibilidade de um parto. Além da idade, a epilepsia. “Ela, com 34 semanas, deve retornar para Cruzeiro do Sul para que a gente possa fazer a cirurgia cesária, e tentar fazer com que aconteça tudo da melhor forma possível. Como ela tem uma idade bem inferior à de outras grávidas, até mesmo para a gente ter uma segurança maior para a criança e para o bebê que ela espera, o procedimento deve ser esse,” esclareceu Rafael Gomes.

Com auxilio do G1 e de A Tribuna.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta