Morre Dona Minininha aos 82 anos

Dona Minininha tinha 82 anos, 17 filhos, 26 netos e 11 bisnetos (foto: Álbum da família)

Felismina Pereira de Souza Santos, mais popularmente conhecida por Dona Minininha, morreu na manhã deste domingo (19) em Ribeira do Pombal. Ela fazia tratamento para combater cálculos renais e estava próxima a realizar uma cirurgia, mas passou mal na madrugada deste domingo em Heliópolis, foi socorrida e levada para o Hospital Santa Teresa, em Ribeira do Pombal. Após uma bateria de exames, teve uma parada cardíaca, foi levada à UTI e, em meio a uma segunda parada, veio a óbito nesta data. Dona Minininha era viúva de Francisco Claudino Santos, ou mais conhecido como Chico de Minininha, morto em agosto de 2004. O casal fez prole numerosa e sempre cuidava dos 17 filhos com esmero. Ela sempre foi dona de casa, filha de Abdias Pereira de Souza e Josefa Pereira de Souza, nascida em Heliópolis. Na juventude se apaixonou por Francisco, que veio do Ceará.

Dona Minininha tinha 82 anos. Ela nasceu em 15 de janeiro de 1938, no limiar do surgimento da urbanização do então povoado de Novo Amparo. Enquanto cuidava da casa, o marido consertava e fabricava móveis. Nas horas vagas, ou logo ao amanhecer, via o marido ir ao açude para pescar. Ela sabia que ele só voltaria com o peixe do almoço. Mesmo com a morte do marido, continuou sua trajetória de dona de casa. Virou a matriarca da família. De todos os filhos, assistiu a morte de apenas um deles, o Robério Souza Santos.

Além dos 16 filhos vivos, Sílvio, Igor Leonardo, Jorge, Nereide, Giselda, Neuma, Silvana, Eliane, Cristiano, Rosilene, Rosineide, Luís, Fátima, Sônia, Roberto e José, há 26 netos e 11 bisnetos. O sepultamento de Felismina Pereira de Souza Santos – Dona Minininha, será nesta segunda-feira (20), às 8 horas da manhã. A família pede orações pela falecida e agradece os pesares, mas divulgou nota alertando para o perigo das aglomerações. Apenas os parentes participarão do velório, mesmo assim com o devido distanciamento social e o uso de máscaras.

Colaborou: Klebinho

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta