O coronavírus, a mentira e a Bahia com seus 216 casos

O contágio em Wajngarten (de boné ao lado de Trump) é um aviso de que não se deve flertar com a mentira quando o assunto é saúde (foto: G1)

O presidente Jair Bolsonaro sempre flertou com o perigo. Enquanto estava vomitando bazófias para jogar para sua galera e enterrar a esquerda, conseguiu pontos e manteve vivos e atuantes os seus irados defensores das redes sociais. Só que não se deve brincar com a ciência. Enquanto víamos o ministro da saúde pedir para declararem logo a situação causada pelo novo coronavírus como pandemia, o presidente dizia que a imprensa superestimou a contaminação. Mais ou menos disse que tudo era uma balela ou mentira mesmo. Agora, depois de confirmado que o secretário especial de Comunicação Social da Presidência da República, Fabio Wajngarten, teve teste positivo para infecção pelo novo coronavírus – Covid-19 – começa uma correria insana para evitar que o vírus contamine todo o planalto.

 Mas não foi só Jair Bolsonaro que subestimou o poder o novo coronavírus. O próprio contaminado também aproveitou para bater na imprensa. Segundo o portal Poder 360, quando saíram as primeiras notícias sobre a suspeita de coronavírus, na noite de 4ª feira (11), Wajngarten chegou a usar sua conta no Twitter para criticar a parte podre da imprensa. Tinha dito que estava bem, mas não negava as informações de que teria feito testes para diagnosticar se estava ou não com a doença. A própria Secom divulgou uma nota a respeito, na qual confirma as informações. Eis a íntegra:

O Serviço Médico da Presidência da República adotou e está adotando todas as medidas preventivas necessárias para preservar a saúde do Presidente da República e de toda comitiva presidencial que o acompanhou em recente viagem oficial aos Estados Unidos, bem como dos servidores do Palácio do Planalto.

Isso porque um dos integrantes do grupo, o Secretário de Comunicação da Presidência da República, Fábio Wajngarten, é portador do novo coronavírus Covid-19, confirmado em contraprova já realizada.

O governo brasileiro também já comunicou às autoridades do governo norte-americano a ocorrência do evento para que elas também adotem as medidas cautelares necessárias.

O Secretário de Comunicação está cumprindo todas as recomendações médicas, em quarentena domiciliar, e só retornará ao seu trabalho quando não houver risco de transmissão da doença.”

Portanto, todos os que tiveram contato com o contaminado terão que tomar os devidos cuidados, inclusive Jair Bolsonaro e Donald Trump. E não se vá culpar a imprensa se o contágiu se espalhar.

Números da Bahia

De janeiro até às 17 horas de hoje (12), a Bahia registrou 216 casos notificados com suspeita clínica de infecção pelo novo coronavírus, sendo três confirmados, todos em Feira de Santana. Outros 147 foram descartados e 66 aguardam análise laboratorial. Ao todo, 26 municípios da Bahia fizeram notificações oficiais ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA).

Ressalta-se que os números são dinâmicos e na medida em que as investigações clínicas e epidemiológicas avançam, os casos são reavaliados, sendo passíveis de reenquadramento na sua classificação. Um novo boletim, com dados atualizados, será divulgado às 17 horas desta sexta (13).

É importante pontuar que o paciente com diagnóstico positivo para o novo coronavírus pode cursar com grau leve, moderado ou grave. A depender da situação clínica, pode ser atendido em unidades primárias de atenção básica, unidades secundárias ou precisar de internação. Mesmo definindo unidades de referência, não significa que ele só pode ser atendido em hospital.

Os casos graves devem ser encaminhados a um hospital de referência para isolamento e tratamento. Os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde (APS) e instituídas medidas de precaução domiciliar. Outras informações podem ser obtidas no link: www.saude.ba.gov.br/coronavirus.

O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). Na suspeita de coronavírus, é necessária a coleta de uma amostra que será encaminhada para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-BA).

Para confirmar a doença, é necessário realizar exames de biologia molecular que detecte o genoma viral. O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de amostra, que está indicada sempre que ocorrer a identificação de caso suspeito.

A fim de ampliar as medidas de prevenção contra infecções virais como Coronavírus, H1N1, H3N2 e Influenza B, as autoridades sanitárias municipais e estaduais vêm sensibilizando a sociedade sobre a importância da higiene regular das mãos e ratificar a necessidade de cumprimento da Legislação Estadual nº 13.706/2017, que determina a disponibilização de dispensadores de álcool gel por parte de estabelecimentos comerciais que prestam serviços diretamente à população.

Sesab/Ascom

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta