O preço da vaidade e da ignorância

José Socorro é colaborador do Contraprosa e trabalha na área da saúde (Foto: Arquivo do autor)

Na vida, nada é de graça. Em algum momento a conta chega e, às vezes, o preço é bem mais alto do que podemos pagar. Ei! Você que vive a zombar da Covid-19, imagine uma situação dessa em sua vida. Você tem um lar onde convive com a sua esposa e seus dois filhos, todos conscientes das informações e orientações da OMS, MS, SMS de seu respectivo município.
De repente, uma turma de amigos o convida para uma farra e, sem pensar na família, você comete um vacilo e  simplesmente aceita, indo então para aquele movimento, onde naturalmente vai haver aglomeração. Passa o tempo e você ali no meio da galera, logo após algumas cervejas, com o foco no curtir.
Depois de horas de vaidade, retorna para casa, sem se dar conta do seu ato de irresponsabilidade, e sem perceber muito menos os riscos que está levando para a família. Passado alguns dias, você nota os sintomas tomando conta dos seus pulmões e do restante da família. Não só você como os demais membros vão para internação. Depois de um tempo internado na UTI, consegue sobreviver e, ao procurar saber familia, recebe a triste notícia de que todos morreram vítimas da Covid-19.
Você que tem filhos, esposa, ou que reside com seus pais, reflita se há como viver com essa dor na consciência, se terá recursos para pagar essa dívida que você contraiu por vaidade, e não por necessidade.
É um absurdo o que vemos no cotidiano concernente a esse vírus. Uma boa parte da população não está nem aí! Querem a todo custo a reabertura do comércio, o retorno ao futebol, a liberação das praias, dos parques e das festas. O momento é de serenidade. Não adianta querer atropelar as medidas, pois os números só crescem. O estado de Sergipe tentou flexibilizar alguns pontos e o aumento de casos hoje é temeroso. Já o sul da Bahia está prestes a implantar um Lockdown, medida essa que vamos ter aqui próximo, mais precisamente em Poço Verde.
A ignorância é o maior aliado da Covid-19, e não adianta querer voltar para um mundo de normalidade. Enquanto não sair a vacina, nada será como antes. Viveremos regrados de limitações! Até lá, devemos agir dentro da ordem e da respeitabilidade das regras vigentes.
Respeitem os profissionais da saúde, respeitem os cientistas. Eles estão numa luta global para salvar a humanidade. Respeitem também as autoridades da segurança pública.

José Socorro (Sangue de Leão).

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta