Oito verdades que você não vai gostar de ler

Um bobo da corte por volta de 1500, quadro do holandês Jacob Cornelisz van Oostsanen. (imagem: Wikimedia)

1 – Os vereadores de Heliópolis não têm valor algum para o prefeito José Mendonça. Ele, que já foi vereador por longo período, sabe que os edis estão de mãos amarradas. Por isso nem mesmo quis comparecer à 1ª sessão legislativa do ano. O prefeito sabe que terá, no mínimo, 5 votos, e ainda pode contar com o consagrado Valdelício Dantas da Gama. Além da questão de grupo, alguns são despreparados, outros fazem o jogo do poder, uns poucos fazem o possível para, de fato, exercer a vereança. Não contam sequer com uma assessoria jurídica de orientação, de fato. O campo é fértil para Mendonça deitar e rolar. Pode até se dar ao luxo de mandar o professor Antônio Valter, secretário de administração, representá-lo na leitura da mensagem de abertura do ano legislativo, tirando da vice-prefeita a missão nobre.

2 – Os prefeitos de nossa região, com raríssimas e honrosas exceções, cruzaram os braços no que se refere à tomada de medidas protetivas de impacto para evitar o alastramento da Covid-19. Quando muito, mantém os postos de atendimento abertos e divulgam os boletins sobre o aumento da doença. Ficou com o governador Rui Costa a missão de chamar para si os atos que funcionam como barreiras contra o aumento da doença. Ainda bem que a Polícia Militar ainda é respeitada, ou temida, pelo interior. A diminuição da atividade noturna andou próxima de zero. Se já tivéssemos vacinas em quantidade, em julho nos livraríamos deste coronavírus.

3 – Só no Brasil a indicada para comandar a CCJ da Câmara dos Deputados, a deputada Bia Kicis (PSL-DF), pode sobreviver politicamente. Ela já pregou o fim do STF, a volta do AI-5 e é a favor da Ditadura Militar de 1964. Só ainda não ameaçou bater em ministro do STF, como fez seu colega Daniel não sei o quê. Seu grande orientador é o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Ele a aconselhou a evitar polêmicas nas redes sociais envolvendo o STF. Lira aposta no esquecimento do público.

4 – Quem se lembra de Luiz Fernando Bandeira de Mello? Lembramos que este senhor é conselheiro do CNMP – Conselho Nacional do Ministério Público, por obra e graça do senador Renan Calheiros. Só para mostrar contra quem a Lava Jato está brigando, mandou abrir reclamação disciplinar na corregedoria do órgão para investigar a conduta de Deltan Dallangnol no processo de criação de uma fundação privada da Lava Jato para gerir R$ 2,5 bilhões da Petrobras, mesmo que não haja nada o que investigar. É só para atormentar a vida dos lavajatistas.

5 – Atenção senhores defensores do liberalismo! Dois anos e dois meses depois de não entregar nada ao capitalismo faminto, Paulo Guedes mostra que está vivo. O governo pretende enviar ainda esta semana ao Congresso um projeto para a privatização dos Correios e outro para a capitalização da Eletrobrás. Querem convencer os investidores de que Jair Bolsonaro é liberal, democrata, privatista e um grande desenvolvimentista. Faltou dizer que minha avó é a Rainha da Inglaterra.

6 – E para provar o caráter desenvolvimentista, humano e social do governo Bolsonaro, seu ministro da saúde, que espera a ordem e obedece, o general Eduardo Pazuello, provou o seu lado Irmã Dulce. Ele nunca se reuniu com nenhuma fabricante de vacina, nem mesmo com a Pfizer, único imunizante aprovado para uso definitivo no Brasil. As tratativas eram feitas com assessores e diretores de departamentos. Isso prova que o ministro está querendo logo acabar com a pandemia.  

7 – Na mensagem lida pelo secretário de administração, na sessão de abertura do ano legislativo na Câmara Municipal de Heliópolis, o prefeito José Mendonça contou a chamada mentira pela metade. Disse que no início tudo parecida bem na hora da transição. Depois, é como se descobrisse que o lixo estava debaixo do tapete. Inventou desculpas esfarrapadas para justificar o Decreto de Emergência. Até senhas de contas bancárias entraram na lista e, claro, a Covid-19. Quem vai defender Ildinho? Talvez Beto Fonseca, que a uma altura dessas já pode estar assessorando algum deputado. Afinal, não é só Mendonça que pode ter esse privilégio. Ninguém da alta cúpula da administração anterior entrou na justiça para reparar o erro.

8 – Vão salvar Flávio Bolsonaro e Lula da cadeia. Notáveis juristas do STF, STJ e TCU estão unindo forças para acabar com a Lava Jato, Sérgio Moro e Deltan Dallangnol, fazendo Lula emergir das cinzas. Hoje foi a vez do STJ dá o show. A Quinta Turma anulou, por 4 votos a 1, a quebra de sigilos bancário e fiscal de Flávio Bolsonaro no caso da Rachadinha, feita por um órgão do governo: COAF. Os dados não poderão ser usados como prova na denúncia já apresentada contra o senador por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Daqui a alguns dias vão validar as mensagens conseguidas por hackers como provas a favor de Lula. Esse país é insuperável!

Deixe uma resposta