Poemas de Socorro para normais e deficientes!

Dois poemas de Socorro Caldas para este Dia Internacional do Deficiente (foto: Facebook pessoal)

Nesta terça-feira, dia 03 de dezembro, é o Dia Internacional do Deficiente Físico, instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1992. O objetivo é, além de nos tornarmos mais humanos, a sensibilização das comunidades para os desafios enfrentados por pessoas com deficiência física. Governos do mundo inteiro dedicam boa parte dos seus orçamentos para permitir a acessibilidade de pessoas com deficiência, e tratá-las com a dignidade que eles merecem, incluindo-os na vida social. A celebração do Dia Internacional do Deficiente Físico ocorre na mesma data do Dia da Pessoa com Deficiência, sendo esta última direcionada para todos os tipos de deficiências, sejam físicas ou mentais. Por outro lado, o Dia do Deficiente Físico salienta exclusivamente as pessoas que apresentam restrições a nível motor.

Para não passar em branco, a poetisa Socorro Caldas, hoje morando em Cícero Dantas ao lado do pai e também grande poeta Antônio Coca, fez dois poemas que nos fazem refletir sobre este dia. Além dos poemas, uma boa notícia: O Colégio Estadual José Dantas de Souza, e várias escolas da nossa região, aderiu ao projeto Escola Acessível e vai receber 15 mil reais para obras que ajudarão a minimizar as dificuldades dos nossos deficientes que, muitas vezes, com um pouco de ajuda, desenvolvem mais habilidades que muitos normais.

Vamos então de Socorro Caldas.

AMAR EM PLENITUDE!

A beleza que a muitos encanta

Não é a mesma que me fascina

As palavras que muitos aplaudem

Não me causam emoções

O sorriso que emoldura o rosto

Muitas vezes é o que me entristece

O abraço por cortesia não me basta

Até me causa constrangimento

O ou “querida” dissimulado

Não me convence

O ósculo na face ardente

Se não verdadeiro causa-me ojeriza

Prefiro a beleza que não vejo

Mas a sinto no íntimo do ser

Prefiro as palavras que embalam os dias meus

Afagando-me a alma

Prefiro o sorriso sincero

Que a evidência da veracidade me convença

Prefiro o abraço que acolha

Que atice o querer mais

Prefiro o “querida” proferida

De forma a sentir-se amada de verdade

Prefiro o ósculo sutil

Com o gostinho de ternura

Que todo sentimento

Que toda gratidão

Que todos os gestos

Se transformem em amor

E que saibamos amar

Sem medidas e em toda plenitude.   (Socorro Caldas)

 

NÓS, OS NORMAIS!

A deficiência existe

Na nossa mente doentia

No nosso ego deformado

Na partícula ínfima do amor

Que habita em muitos de nós

Ou até mesmo na ausência deste

Se fizéssemos a pergunta

O porquê da rejeição

Ao primeiro contato

Silenciosamente ouviríamos

O que os outros vão dizer?

Como os outros vão reagir

Pobres humanos

De mentes deformadas

Na preocupação de expor o “belo”

No afã de receber elogios

Esquecem, que ser pais

De crianças especiais são bênçãos divinas

Para aprendermos a ser gente de verdade

Entre tantos pormenores

E diversas anormalidades

Teremos a certeza

Que a inocência reinará

Que a guerra não será por elas praticada

E que a paz será uma constante

E que a maldade exposta neste mundo de meu Deus

São praticadas, por nós os NORMAIS!   (Socorro Caldas)

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta