Porto Seguro: um lugar para a vida inteira

Depois de passarmos perto em várias oportunidades, finalmente pudemos conhecer Porto Seguro, marco zero da chegada dos europeus a este rincão americano. A cidade que tem hoje cerca de 150 mil habitantes guarda as marcas da história brasileira pelas ruas, casas carinhosamente pintadas, na arquitetura das igrejas e na tranquilidade de moradores e visitantes.

Em 22 de abril de 1500, os primeiros portugueses chegaram a este Porto Seguro, hoje patrimônio Histórico Nacional. Além da história e da beleza do litoral sul baiano, a palavra chave para quem visita o município é tranquilidade. Além das belas praias, a cidade oferece estruturas mais simples e também sofisticadas. Tem preço de hotel para todos os gostos, mas, no geral, as diárias cabem no bolso.

Quem gosta de badalação não ficará decepcionado. Antes, Porto Seguro era conhecida apenas pelas festas destinadas a jovens. Hoje é um recanto para turistas do mundo inteiro.  Não tivemos tempo de visitar a reserva indígena Pataxó da Jaqueira, onde é possível viver e entender os costumes dos nativos do lugar, mas peregrinamos e conhecemos casas no estilo colonial, igrejas e museus.

Por orientação de Alexandre, dono do hotel em que ficamos, visitei Arraial da Ajuda. A travessia é feita a balsa demora cerca de 10 minutos. Chegando ao cais, há vans que levam até o centro. É lá que a Igreja de Nossa Senhora da Ajuda se mantém desde 1549, quando começou a ser construída pelos padres jesuítas. Em 1550, Padre Manoel da Nóbrega proferiu missa no local. A igreja só foi concluída totalmente em 1551.

Em Arraial da Ajuda há tudo que um turista precisa, mas é preciso controle. Tudo bonito, atraente, magnífico e muito caro!!! Os preços são estratosféricos, mas o lugar é encantador. De repente, na frente do cemitério, localizado em pleno centro, aparece uma banda tocando mpb. Você tem que parar, ouvir, contribuir e agradecer.

No retorno, as ruas iluminadas de Porto Seguro dão o tom. Já bem próximo ao cais, lojinhas de quase tudo, bares, casa de shows seguem comovendo o turista até a Passarela do Álcool. Porto Seguro é um lugar para não ficar um dia só. É lugar para uma vida inteira.  

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta