Poucas & Boas: Ana Dalva, o piseiro de Iggor e a candidatura de Celso

Celso para prefeito

O empresário seria uma boa opção como exemplo de sucesso (foto: Landisvalth Lima)

Não sabemos qual será o resultado que se dará nas urnas no próximo dia 15 de novembro, mas caso ocorra a vitória dos candidatos da oposição ou situação em Heliópolis, será apenas mais do mesmo. Nada de novo. Caso a oposição seja derrotada mais uma vez, o Contraprosa sugere que o próximo candidato seja o empresário Celso Oliveira. Isto porque há sempre fortes boatos de que é ele o principal investidor do grupo e que já tem uma coleção de políticos na sua plataforma de endividados. São notas promissórias assinadas, garantidas por diversas propriedades. Isto o transforma em garantista de várias candidaturas e, de fato, em prefeito e dono de várias cadeiras na câmara de vereadores. Então, por que não o faz logo candidato de fato? Assim evitaríamos esse poder indireto e ele, Celso, estaria investindo em si mesmo. Vamos levantar a bandeira de Celso candidato a prefeito de Heliópolis!

Candidato de sucesso

A candidatura de Celso colocaria por terra alguns argumentos que vivem a atormentar o candidato José Mendonça. Os opositores do candidato do PL vivem a dizer que ele é exemplo de péssimo administrador. Era dono de uma boate que não deu certo. Depois veio uma farmácia e o fracasso novamente bateu à porta. Por fim, veio uma lotérica que igualmente foi uma verdadeiro fiasco. É claro que a administração pública tem outro perfil porque é um grupo que administra, mas a propaganda do contra é um inferno. No caso de Celso, isto estaria eliminado. É fato que o maior empresário de Heliópolis é um sucesso. Tudo dele dá certo. Supermercados, fazendas e outros negócios se multiplicam, mesmo em época de crise. É um homem de negócios de sucesso. A única área que não deu certo é a política. Nas pouquíssimas vezes que seus apadrinhados venceram, siglas como TCM, TCU, TCE, MP e PF só atrapalharam. Será que o seu fracasso na política não está em confundir esta atividade social com um negócio? Uma coisa é certa, como candidato a prefeito, ninguém poderia dizer que Celso é um fracasso.

Façam o que digo…

O prefeito convoca para seu “piseiro” horas após selar acordo pelo fim das aglomerações (imagem: Instagram)

A Justiça Eleitoral tem feito o possível para evitar que a eleição deste ano seja um marco renovador com contágio da Covid-19 no país. Muitos candidatos e eleitores colaboram, mas há aqueles que, movidos pelo desejo de vitória a qualquer custo, dizem uma coisa nas redes sociais, ou perante o Juízo Eleitoral, e fazem outras na vida real. Vou pegar um caso aqui envolvendo o prefeito de Poço Verde, Iggor Oliveira. Ele não gosta de ser questionado, mas aderiu ao plano de evitar aglomerações nestas eleições e, ao mesmo tempo, participa de eventos que estão longe de ser cuidadosos com a contaminação do novo coronavírus. Parece que o prefeito de Poço Verde está dizendo aos seus concorrentes: Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço. Também temos imagens de eventos com aglomerações feitos pela candidata Edna de Toinho de Dorinha. Parece que o único que ainda não quebrou o protocolo foi Roberto Barracão.

Ana Dalva na luta

Ana Dalva passa tranquilidade aos eleitores (foto: Landisvalth Lima)

A vereadora Ana Dalva pede para esclarecer boatos que circulam sobre sua candidatura. Ela agradece as preocupações dos seus eleitores, mas pede que fiquem tranquilos. Há de fato um problema documental, mas que não vai atrapalhar sua candidatura. É que ela foi candidata a Suplente de Senador e o titular não prestou contas. Isso afetou sua certidão eleitoral. Em contato com o TRE-BA, ela ficou sabendo do problema e resolveu tudo bem antes das eleições. Acontece que a Certidão Negativa ainda não chegou ao sistema e gerou uma impugnação do MP, que só está cumprindo com o protocolo. Os documentos referidos já foram anexados e tudo está dentro dos conformes. Ana Dalva, que luta pelo seu quarto mandato, deixa bem claro que é apenas um problema documental e não envolve, ao contrário de muitos, contas rejeitadas por uso indevido e corrupção deslavada. Portanto, não tem nada de feitiço ou feiticeiro. O problema é que os corruptos tentam manchar a honra de todos os políticos para justificar que todos são sujos. Isto não é verdade.

Violência assusta

Dono de loja em Sorocaba reage e mata 3 assaltantes (imagem: câmeras de segurança)

Já não é mais segredo que os números da violência no Brasil voltaram a crescer. É fato que, com o desemprego em escalada nobre de crescimento, os números grotescos e selvagens da violência seguem seguem a rotina. As imagens das cenas são fortes e circulam nas redes sociais. Foram gravadas por populares e pelas câmeras de segurança de uma loja em Sorocaba, em São Paulo. O proprietário reagiu a um assalto e matou três bandidos. Um deles, que se arrastou até a calçada, ainda sobreviveu apenas até a chegada do Samu. O dono da loja desapareceu com as armas, mas terá que prestar depoimento. O fato acorreu dia 7 de outubro, no Jardim São Guilherme, zona norte da cidade. Ainda não foram dados os detalhes sobre a identidade dos mortos.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta