Poucas & Boas: Valores invertidos, a era Bárbara e o Carnaval

Inversão de valores I

Aprendi desde cedo que a autoridade obedecia ao que estava na Lei. Sempre soube que um juiz era um ser justo e observador implacável da Constituição. Também não cresci inocente. Sabia que os poderosos podem encurtar caminhos e desviar as rotas que os levem ao calabouço. Ao longo da vida, as feridas que corroem nossa democracia vão ficando mais visíveis e nossas ilusões vão ficando cada vez mais tênues e vaporosas. Hoje, ou o Brasil está pior do que sempre foi ou o que sempre foi está mais escancarado. Seja lá o que for, três juízes estão na linha de frente das nossas desilusões: Kássio Marques, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski.

Inversão de valores II

Deltan Dellangnol (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Mas Gilmar Mendes e Lewandowski parecem disputar quem destruirá primeiro a legado da Operação Lava Jato. Terão cravados nos seus currículos como os homens que destruíram a possibilidade de o Brasil sair desse eterno conluio entre a elite política e a elite econômica. Quem lidera hoje é Gilmar Mendes. Quando os advogados querem alguma Liminar para soltar algum malandro do colarinho branco, Gilmar é o preferido. Como membro do Supremo, Mendes nem mesmo se dá ao luxo de se manifestar nos autos. Reportagem da revista Crusoé, desta semana, escancara o objetivo do ministro: anular todos os processos da operação liderada por Moro e Dellangnol.

Inversão de valores III

Está claro que tudo caminha na direção de tornar Lula elegível. Não se pode simplesmente inocentá-lo porque as provas são robustas. Os empreiteiros já fizeram acordos de leniência, confessaram crimes, mostraram o início e o meio de tudo. Ninguém, em sã consciência, acreditará que houve injustiça. Mas Gilmar Mendes quer provar que diálogos roubados por hackers podem servir como provas para dizer que Deltan e Sérgio Moro combinaram a condenação de Lula e tudo merece ser anulado. Será a única vez na história do planeta que supostas conversas entre juiz e procuradores serão consideradas crimes hediondos, superiores até que bilhões desviados dos cofres públicos para alimentar a maior quadrilha de ladrões da nossa era moderna.

Maconha em Jacobina

Há um vídeo nas redes sociais que circula levando desinformação ao nosso povo. Trata-se de policiais chegando numa plantação de maconha no meio da caatinga, no município de Jacobina – BA. As imagens são reais. De fato tudo ali se passou, mas nada é de agora. O fato ocorreu em abril do ano passado. Quem repassa o vídeo não tem o cuidado de explicar e localizar o fato no tempo.

Pazuello destroçado

General Eduardo Pazuello (foto: Correio Braziliense)

O depoimento do ministro da saúde é o início da tentativa do Congresso de melhorar a situação de Bolsonaro na sua dramática atuação na pandemia. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse que a fala do ministro vai influenciar a decisão de abertura ou não da CPI da Covid-19. O teatro já foi armado porque sabem da incompetência de Eduardo Pazuello no quesito saúde. O desempenho do ministro não convenceu nem mesmo os bolsonaristas. Caso a CPI seja aberta, o objetivo é forçar uma renúncia de Pazuello para que Bolsonaro possa indicar um indicado do centrão. Depois, tudo ficará esquecido. Será o Brasil de sempre.

BR 235 em Jeremoabo

Entroncamento da BR 235/110 em Jeremoabo (imagem: Denit)

O Ministério da Infraestrutura entregou oficialmente um trecho de 77,6 quilômetros de pista pavimentada na BR-235, no município de Jeremoabo. A estrada liga Aracaju – SE a Juazeiro – BA e segue até o Pará. O trecho entregue foi o lote 2, entroncamento da BR 110/235 ao distrito de Canché. A solenidade de entrega foi nesta sexta-feira (12). A BR 235 é popularmente conhecida como rodovia do Vaqueiro e o ministro da infraestrutura Tarcísio Freitas lembrou dos investimentos federais na Bahia, destacando as obras que devem ser entregues até o fim de março. De acordo com o ministro, desde o início do governo Bolsonaro até então, já foram mais de 400 km pavimentados ou restaurados na Bahia.

Bárbara de Alencar em Campos Sales

Vereador Felipe Alves, professor Lívio e Luís Diógenes na luta pelo ideal de Bárbara de Alencar (Imagem: You Tube)

O Instituo Histórico-Cultural e Ecológico Bárbara de Alencar promoveu nesta quinta-feira (11) a conferência “O fenômeno Bárbara de Alencar e as Linhas Abertas para a Pesquisa Científica”, com a participação dos professores Luís Diógenes e Lívio, e do vereador Felipe Alves. O evento começou às 19 horas, no  Auditório da Secretaria Municipal de Políticas para a Educação da cidade de Campos Sales, no estado do Ceará. Bárbara de Alencar nasceu em Exu-PE, em 11 de fevereiro de 1760. São vários os objetivos do instituto, inclusive a preservação do ideal de Bárbara de Alencar, heroína da Revolução Pernambucana de 1817. A prefeitura de Campos Sales deu apoio ao evento transmitido pelo You Tube – nos canais de Linguística e Literatura e Portal do Cariri, e pelo Facebook, nas páginas do Cariri – Notícias e Kariri Oeste. Quem desejar se informar sobre a conferência, dê um clique .

Vereadora Ana Dalva (foto: Contraprosa)

Carnaval em Heliópolis

Não haverá festa, claro. Tudo indica que segunda-feira será normal, mas a terça-feira será feriado. A prefeitura Municipal de Heliópolis está informando que a Unidade Básica de Saúde estará fechada. A vereadora Ana Dalva foi confirmar a informação e lamentou ser verdade. Parece que não estamos em período especial. Beiramos os 200 casos de Covid-19, com 6 mortes, 4 cepas rondando o mundo, recebemos apenas 177 doses de vacina e tudo parece não estar acontecendo. Nossa fé é que a P1 fique o mais longe possível. Se chegar por aqui…Melhor não pensar.  

Deixe uma resposta