Prefeitura de Poço Verde é da JFilhos até 2024

Eleição foi disputada em Poço Verde com margem de 271 para o vencedor (fonte: TSE/G1)

Valeram as mentiras, as falsas pesquisas, as compras de votos, o aumento do número de contaminados, a má administração e a incompetência. Poço Verde Reelegeu Iggor Oliveira para mais 4 anos. O futuro se faz sombrio porque sua administração já não era boa. E o resultado prova o que estamos dizendo: foram 1808 votos a menos que a eleição anterior. Venceu com a minoria, apenas 44% dos votantes e reles 271 votos de frente. Pior, a prefeitura foi entregue nos braços da construtora JFilhos, financiadora da campanha do atual prefeito. A realidade é cruel e alguns poucos aceitam.

E estes poucos formam hoje 2015 votos, soma total dos votos de Roberto Barracão. O candidato da coligação PSC/PT disputou o combate dos justos. Até na escolha dos profissionais e empresas para sua campanha procurou aqueles que não tinham vínculos com os lados opostos. Foram corretíssimos Roberto Barracão e sua companheira Aíres do Sindicato. Tudo era decidido coletivamente, um show de democracia. Foi realmente um grupo político na concepção da expressão. Pena não ter conquistado o suficiente para promover uma revolução política em Poço Verde. Mas a semente foi plantada.

A campanha de Edna de Toinho de Dorinha foi a que Toinho sabe fazer. Não trouxe nada de novo. Ele esperava que apenas os tempos áureos da sua era de prefeito fossem suficientes para eleger a esposa, como foi suficiente para eleger o sobrinho. Não se galga eternidade política só utilizando parentes. É preciso também acreditar em novos rumos. O conservadorismo de Toinho de Dorinha fez menosprezar a capacidade de Roberto Barracão, igualando-o a Luís Américo de 2016. Só que, mesmo hoje, os votos de um Luís Américo seriam suficientes para eleger Edna Dória, imaginem os de Roberto Barracão. Não se pode menosprezar a chamada 3ª via. Ela também está no limiar das opções.

A Câmara Municipal de Poço Verde terá minoria governista. O PSD fez cinco cadeiras: Plínio de Santana, Dii de Nilo, Jaci de Silvino, Amaury o Negão e Rivan Francisco. As outras seis cadeiras serão distribuídas ao PSB (4), Edson de Didiu, Pedro de João Rodrigues, Gilmário Família e Raimundo da Kombi, finalizando com o Cidadania (1), Tarcísio Fontes, e uma cadeira para o PT, com Imperatriz de Raimundo Rosário. No PSD, Gileno Alves virou 1º suplente, ficando a 11 votos de Rivan Francisco. Lurdinha de Gilson Rosário é a suplente de Imperatriz e o professor Lourinaldo Lisboa ficou suplente por míseros 3 votos. Confira os eleitos:

1 -Edson Didiu – PSB – ELEITO – 6,51% – 930 votos

2 – Plinio de Santana – PSD – ELEITO – 5,79% – 827 votos

3 – Dii de Nilo – PSD – ELEITO – 5,46% – 779 votos

4 – Pedro de João Rodrigues – PSB – ELEITO – 4,43% – 632 votos

5 – Jaci de Silvino – PSD – ELEITO – 4,40% – 628 votos

6 – Gilmário Família – PSB – ELEITO – 4,16% – 594 votos

7 – Amaury O Negao – PSD – ELEITO – 4,02% – 574 votos

8 – Raimundo da Kombi – PSB – ELEITO – 3,93% – 561 votos

9 – Rivan Francisco – PSD – ELEITO – 3,68% – 526 votos

10 – Tarcísio Fontes – CIDADANIA – ELEITO – 3,58% – 511 votos

11 – Imperatriz de Raimundo Rosario – PT – ELEITA – 3,03% – 432 votos

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta