Quase 7 milhões de testes tipo RT-PCR não foram distribuídos pelo governo

O Ministério da Saúde demonstra pouca preocupação com a saúde do brasileiro ao não distribuir quase 7 milhões de testes (foto: Metrópoles)

Este país é abençoado. Pelo comportamento dos nossos políticos, em sua esmagadora maioria, o país já deveria ter sido eliminado da face da terra. Entretanto, por motivos que fogem ao nosso raciocínio, continuamos na batalha. Uma reportagem do jornal O Estado de São Paulo mostra que perto de 7 milhões de testes para Covid-19, comprados pelo Ministério da Saúde, perderão a validade entre dezembro e janeiro e estão estocados num armazém em Guarulhos-SP sem distribuição aos pontos de atendimento da rede pública de saúde. É um verdadeiro descaso. E imaginar que o nosso ministro da saúde é especialista em logística. Os testes são do tipo RT-PCR. Para entender o inacreditável do fato, o Sistema Único de Saúde distribuiu, até aqui, 5 milhões de testes deste tipo. Contando com outros tipos, o SUS já investiu mais de 750 milhões na aquisição dos mesmos. O investimento armazenado em Guarulhos está próximo dos 300 milhões.  A validade dos testes é de oito meses. Mais uma ação inacreditável do governo Bolsonaro!  

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta