Sergipe tem 77 obras em andamento, 20 paralisadas e apenas 29 concluídas

Malha rodoviária de Sergipe está prejudicada com a paralisação de várias obras (foto: Divulgação)

O governador Belivaldo Chagas caminha para estar, caso houvesse, na calçada da fama dos mais desastrados governadores da história de Sergipe. O estado tem, ao todo, 20 obras paralisadas, 77 em andamento e 29 que foram concluídas. Se as que estão em andamento tivessem perspectivas de conclusão, até que os números não seriam de todo ruim. O problema é que a expressão em andamento está mais para um em se arrastando. As obras concluídas, as paralisadas e as em andamento, caso não haja aditivos, deverá custar ao Estado de Sergipe algo em torno de 378 milhões.  

Uma obra paralisada está bem próxima, e é recorrentemente usada por todos nós. Trata-se da restauração do pavimento da Rodovia SE-361, que liga Poço Verde ao município de Simão Dias, localizados no centro-sul do estado. A rodovia tem extensão de 43,68 km e teve sua recuperação iniciada em 18 de setembro de 2018, duas semanas antes das eleições. No segundo turno estava com 32% das obras concluídas. Belivaldo Chagas ganhou o pleito eleitoral e, de lá para cá, uma única pá de asfalto foi colocada. A obra parou no povoado Triunfo e já custou 3.978.367,93, dos 12.487.259,86 estimados para a conclusão. O fim da obra estava marcado para 17 de julho de 2019.

Das obras em andamento, um exemplo claro de alto custo e morosidade acontece na complementação da urbanização do segmento da Rodovia SE-090, Trecho do Entroncamento da BR 101 até a sede do município de Nossa Senhora do Socorro, com extensão de 850 metros. Uma obra pequena, simples e que deveria ser barata. Teve início em 1º de outubro de 2018, na semana da eleição. A conclusão estava marcada para 28 de junho de 2019. Custo previsto: 1.426.970,04. Até o fechamento desta postagem, apenas 85% está concluída e já consumiu mais de 1 milhão e 200 mil.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta