SINDFA consegue finalmente o seu Registro Sindical

Todas as vezes que o SINDFA – Sindicato dos Servidores Públicos de Fátima – entrava com alguma medida judicial contra medidas que contrariassem os direitos dos servidores da prefeitura de Fátima, lá sempre vinha o questionamento de que o sindicato não tinha o seu registro. Muitas decisões foram negadas aos servidores, sempre alegando o tal documento. Agora, tudo isso é passado. Depois de idas e vindas, cinco anos depois, inclusive conseguido por ação judicial, eis que a Secretaria das Relações de Trabalho, vinculada ao Ministério da Economia, finalmente deferiu o Registro Sindical do SINDFA, nesta segunda-feira (30). O documento publicado no Diário Oficial da União vem com a assinatura de Mauro Rodrigues de Souza.

Para quem imagina ser só uma batalha contra a burocracia, muitos sindicatos só conseguiram registro, e ninguém vai confessar isso, com o reforço da propina. Mas a direção do SINDFA, liderada pela presidente Maria Elany, sempre se negou a entrar no esquema. Foi o Dr. Murilo Nascimento, com o auxílio luxuoso do Dr. Gabriel Fontes, quem lutou para conseguir o documento. A batalha foi jurídica, mas, mesmo assim, se não tivesse o sindicato com a documentação em dia, o processo seria arquivado, como aconteceu, na mesma data, com o sindicato dos servidores públicos de Jucás, no estado do Ceará.

Despacho com o deferimento do Registro Sindical do SINFA. (foto: Divulgação)

Um sindicato organizado é motivo de alegria para os servidores, mas o registro chegou numa hora em que não se pode fazer festa. Maria Elany já avisou que o acontecimento não passará em branco, mas só depois que o Covid-19 passar. De qualquer forma, é uma boa notícia para os servidores do município de Fátima, que vivem, além da ameaça passageira do novo coronavírus, o sofrimento da retirada constante de direitos e conquistas patrocinada pelo prefeito de Fátima, Manoel Missias – o Sorria.   

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta