Só nos restam as boas lembranças!

                                                                                                    *José Socorro

José Socorro e a saudade do São Pedro de Heliópolis (foto: arquivo pessoal)

Baseando-se em que os folguedos da nossa festa de São Pedro se dão no segundo final de semana do mês de julho, amanhã (10) seria então o dia da nossa tradicional alvorada. Era de certo que muitos foliões já estariam na euforia do amanhecer. Os salões de beleza, as barbearias, as lojas de roupas e demais itens estariam a todo vapor.

E as distribuidoras e supermercados então? nesse exato momento em que estou escrevendo este texto, o bar de Pedro Veloso estaria em festa, fato que vinha acontecendo há muitos anos, o já conhecido Esquenta do São Pedro. De lá, muitos já emendariam com a Alvorada.

E daí, a diversão iria até ao meio dia ou até se prolongaria, enfim. Quando nos referimos às nossas Alvoradas, toda a diversão é demasiada, tudo é fora do normal. É algo memorável a cada edição.

Este ano não teremos a nossa Alvorada, mas vamos pedir a Deus vida, saúde e uma boa dose de consciência, para que possamos superar este momento turbulento que tem trazido muitas dores.

Que Deus abençoe a cada um de nós, e vamos pensar na coletividade, para que assim possamos juntos ter a alegria de revermos nossos familiares, amigos, vizinhos e os nossos conterrâneos que estão em outros estados. Que em 2021 estejamos todos reunidos e unidos para nos divertirmos com as alegrias de outrora.

Finalizo este texto de hoje pedindo a Deus pela recuperação de um amigo que foi vítima da Covid-19 e, diferente dos demais casos aqui do município, o mesmo está a usar a rede hospitalar. Força meu amigo!

Caso você sinta os sintomas, entre em contato com a secretaria da saúde. Seja atento ao surgimento de alguma anormalidade no seu organismo. Assim você terá mais chances de se recuperar e prevenir os seus familiares e amigos.

                       *José Socorro é servidor público da saúde e colaborador do portal Contraprosa

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta