Sorria quita folha de janeiro com corte de vantagens

Professores e servidores de Fátima sofrem com a administração do prefeito Sorria (foto: Márcia Nascimento)

O prefeito de Fátima, Manoel Messias, conhecido por Sorria, parece que já sabe que nesta Bahia de Todos os Santos prefeitos ruins deitam e rolam, surfam na maionese e nada vem contra eles. Depois de brincar com o atraso de salários por vários meses seguidos, finalmente, quitou os salários dos servidores do mês de janeiro. Quem já conhece a figura pública pode saber que isso teve um porém. Um não, vários. Retirou várias vantagens dos servidores, que ajudam a melhorar o salário dos professores. Sorria retirou da folha 15% referente a Atividade Completar (AC) e, não se dando por satisfeito, retirou os 10% de vantagem aos professores que lecionam as séries inicias do ensino fundamental. Para que os professores do fundamental, séries finais, não se sentissem felizes, retirou também os 10% de Atividade Complementar. Para completar o pacote de maldades, Sorria também cortou o desconto do sindicato dos servidores – Sindfa, e o convênio BahiaOdonto.

E não se pode dizer que a sessão de tortura acabou. O sindicato fez hoje mais uma assembleia e, como já vem ocorrendo há muito tempo, foi só para discutir retirada de direitos. A reunião aconteceu na Escola Municipal Professora Idivânia Oliveira. Por mais de duas horas, os servidores só discutiam metas para brigar pelo que perderam nestes tempos sombrios. Nem mesmo o aumento do salário mínimo foi sinalizado pela administração. Para completar o quadro desolador, a Função Gratificada recebida pelos funcionários que exercem funções de diretor, secretário, coordenador etc, foi eliminada sem maiores explicações. A presidente do Sindfa, Maria Elany Oliveira, até que tenta trazer notícias boas para o funcionalismo público de Fátima, mas o cenário é desanimador.

Interessante é que, mesmo assim, os servidores não pensam em paralisação, por enquanto. Participaram ativamente da jornada pedagógica, realizada em cada escola. Não houve um grande encontro para debater o futuro ano letivo e cada instituição teve que se organizar nesse sentido. Perguntados sobre esperança com o aumento de 12,84% no Piso dos professores, muitos se mostram desanimados porque nem mesmo o aumento do mínimo foi respeitado. O pesadelo do servidor público de Fátima parece não ter fim. Além de lutarem contra um prefeito completamente descompromissado com os servidores, lutam para que o serviço público mantenha o mínimo de qualidade no município. É uma luta heroica sem garantia de um final feliz, pelo menos por enquanto.  

Colaborou: Márcia Nascimento  

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta