Taurus lucra com Bolsonaro, mas teve financiamento do BNDES nos governos Lula e Dilma

Dinheiro público financia fabricação de armas e a Taurus financia campanhas políticas (foto: Abril.com)

A Taurus, maior fabricante de armas leves do Brasil, segundo o portal Infomoney, fechou empréstimo com o BNDES em 31.9 milhões em 2013, para pagar até 2020. Este mesmo financiamento foi reduzido para 9,9 milhões em acordo com as partes. Curioso é que este tipo de empréstimo é proibido e não houve nenhuma contestação de nenhum partido em nenhuma época.

Mas outros empréstimos ainda foram feitos. Para driblar a proibição, o BNDES, desde 2002, fazia empréstimos indiretos. Os bancos que participavam mais comumente do combinado foram Banco do Brasil e Banco do Rio Grande do Sul. Ao todo, foram 73 contratos de financiamento indiretos que ajudaram a transformar a empresa na maior e na que mais exporta armas daqui para todo o mundo. O dinheiro público brasileiro ajudou a fabricar armas mortais.

A relação entre a Taurus e os políticos vem de longe. Só para ficar num exemplo, segundo o Infomoney, o ministro Onyx Lorenzoni teve campanhas políticas financiadas pela fabricante de armas. Foram 310 mil para as três campanhas de deputado federal e mais 150 mil para sua candidatura a prefeito de Porto Alegre.

Se os governos petistas foram os alavancadores econômicos da Taurus, foi da campanha de Bolsonaro para cá que a empresa teve seu maior lucro. Enquanto o candidato fazia arminha com as mãos, as ações da fabricante de armas chegaram a 500% de subida na Bolsa de Valores. Nunca antes em toda a história da nação a empresa faturou tanto.

Enquanto a ira ideológica impera sobre os debates políticos na polarização da suposta direita contra a pseudo esquerda, nosso BNDES vai contribuindo para aumentar o faturamento de empresas nos diversos governos. A última coisa que olham é para fanatismos. É o nosso estado voltado para os grandes e, em todos os governos, usando a classe média como financiadora da corrupção e do aumento do PIB dos grandes investidores.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta