Um genocídio a caminho

                                                                                                                 

*José Socorro

O tema é assustador, mas não consigo ver outro cenário com as atuais medidas adotadas pelos os estados e municípios da nossa nação. Os números de novos infectados e óbitos diários são expressivos. Hoje ultrapassamos a marca de 30 mil novos casos em 24 horas, além das 1.005 mortes no mesmo espaço de tempo.

Hoje temos mais de 645 mil casos de infectados e 35 mil vidas ceifadas em consequência desse vírus. Ainda somos o segundo colocado em números de doentes da Covid-19, ficando atrás do Estados Unidos, e somos o terceiro em números de óbitos. Mas é só uma questão de dias, logo vamos ultrapassar o Reino Unido e, se não revirem essas medidas absurdas de afrouxamento, podemos ser o campeão em tudo. Isso porque temos uma população aproximada de 212 milhões de habitantes, onde a desigualdade é real. São milhões de pessoas que não têm acesso à água potável, saneamento e moradias dignas, sem esquecer dos moradores de ruas e do grande número de encarcerados.

Todos estes aspectos só tendem a aumentar os números de casos catastroficamente. A maioria dos estados e municípios já estão acima dos 60% das ocupações dos leitos de UTI, a rede privada está também no limite. Assim, todos tendem a correr para o SUS, que é um sistema de saúde universal. O Rio Grande do Norte já está colapsado, além de Pernambuco e o Amazonas. Aqui em nosso estado, apesar do governador afirmar que chegamos ao platô, os casos aumentam a cada dia. Em Sergipe, que é o menor estado da federação, já conta quase 9 mil infectados e 198 óbitos e, mesmo assim, é mais um que está flexibilizando.

O Brasil está fazendo o oposto dos outros países, que só depois de medidas duras, testagem em massa e avaliações minuciosas das suas estruturas de saúde, é que estão começando a flexibilização gradual. Atualmente somos o epicentro da Covid-19 e temos várias situações agravantes, começando pela falta de um comandante, de um ministro da saúde de carreira, de testagem em massa, de estruturas hospitalares e humanas, de medidas eficazes e a falta de amor próprio e coletivo da nossa população. E fazendo a junção com os tópicos mencionados acima, infelizmente temos tudo para sermos os primeiros do ranking em números de infectados e de óbitos.

A dor é inevitável
O sofrimento é opção.
(Carlos Drummond de Andrade)                           

*Jose Socorro é colaborador do Contraprosa.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta