Vice de Tetti Brito é servidor e não dá expediente em Cícero Dantas

O nome de Luiz Vilson na folha de pagamento, ele em Brasilia e sua foto de urna como candidato (montagem; Contraprosa)

Há mistérios em nossa região que parecem não ter explicações plausíveis. Um leitor do portal Contraprosa nos enviou uma folha de pagamento que constava o nome de Luiz Vilson dos Santos no mês de junho. Para nos certificarmos de não ser informação falsa, consultamos o vereador Nenê de Nedito e a denúncia foi confirmada. O pré-candidato a vice-prefeito na chapa de Tetti Brito (PSD) de Ribeira do Amparo, Luiz Vilson (PL), é mesmo funcionário da Prefeitura Municipal de Cícero Dantas. São dois polpudos salários, um de 7.000 e outro de 2.800 reais. Mas o que estaria errado, então? É que, segundo o vereador, ele não tem expediente na prefeitura.

Questionamos ao vereador se ele seria um funcionário fantasma. Cauteloso, Nenê de Nedito informou que ele é uma espécie de assessor para assuntos relacionados com Brasília. Inclusive, o vereador chegou a denunciar certa feita a quantidade de diárias pagas ao servidor temporário. Perguntamos ainda se o mesmo pediu afastamento para disputar a candidatura de vice na Ribeira e Nenê de Nedito disse que ele não se recordava. Olhamos então o Diário Oficial do município de Cícero Dantas, de 3 a 19 de agosto, período da publicação dos afastamentos, que deveriam ser solicitados pelos servidores candidatos até dia 14 deste mesmo mês. Encontramos pedidos de afastamento de Genilson Gonçalves de Souza, José Erismar de Oliveira, Afonso Gonçalves da Silveira, Alexandra Alves Dias, Antônio Carlos Silva, Ailton de Jesus Matos, Raimundo Nonato de Oliveira – todos para disputar mandato de vereador, e Jenilson Batista de Oliveira, que vai disputar a vice-prefeitura. Luiz Vilson não constava.

Mas porque se preocupar com o pedido de afastamento se o município de trabalho é diferente daquele em que se concorre? É verdade que não gera inelegibilidade porque ele trabalha em um e concorre em outro, mas são 80 quilômetros! Dá para trabalhar e disputar um mandato de vice-prefeito nestas condições? A verdade é uma só: pode ser legal, mas é imoral e inexplicável. Cícero Dantas está com um funcionário a um custo de 9.800 reais e não trabalha. Embora seja atividade de confiança, é preciso ter a função uma utilidade para justificar 127 mil de salários anuais. Ou será que o prefeito, dr. Ricardo, tem alguma atividade em Brasília que só Luiz Vilson sabe fazer? Há muito mais mistério entre Cícero Dantas e Ribeira do Amparo que a nossa vã desconfiança possa imaginar.

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta