Poucas & Boas 2019.17

Indefinições aqui e ali

Vítor Marrocos, entre Ildinho, Thiago Andrade, Ana Dalva e populares. Caminho para a vereança (foto: Landisvalth Lima)

Um observador, velho pardal de guerra, conversando com um governista decepcionado com o comportamento de um vereador, chamou atenção para um detalhe: os governistas, liderados pelo prefeito Ildinho, estão chorando de barriga cheia. Disse ele que o grupo do prefeito tem um único problema e a oposição tem meia dúzia de nós para desatar. Primeiro, a vice do sonho de Mendonça, a vereadora Ana Dalva, só figurou na chapa nos boatos espalhados; segundo, apesar de ser uma boa jogada política, o vereador Ronaldo é rejeitado para ser vice por metade dos pardais, correndo risco do grupo perder a outra parte; terceiro, se o vice não for um filho de Aroaldo, boa parte dos eleitores do grupo do ex-prefeito terão motivos de sobra para caírem fora; quarto, Zé do Sertão foi para o grupo para ser vice e eleger a mulher vereadora, mesmo que todos os prognósticos falem em contrário; cinco, Celso Oliveira é um jogador e não está vendo as pedras boas aparecerem, podendo, como é comum, levantar-se da mesa e cuidar do que é seu; seis, Mendonça não quer nem ouvir falar na possibilidade de não ser ele o candidato do grupo. E ainda tem gente chorando porque um vereador está fazendo bico. Querem trocar de lugar com a oposição?

1 ano de campanha

A eleição em Heliópolis já começou. Mesmo sem ter candidatos oficiais, e sem ter ninguém que se diga candidato abertamente, todos já frequentam até aniversário de Dona Baratinha. Diferentemente dos anos anteriores, quando as negociações foram até a disputa de pênaltis, parece que as candidaturas estão postas. Faltam apenas as definições de vices, partidos e apoios. O problema hoje é saber quem vai aguentar tanta campanha driblando a legislação eleitoral e a ansiedade do povo.

Doriedson fora

A possibilidade da troca de candidato da oposição não foi boato. Chegaram até a fazer uma reunião e lançaram o nome de Doriedson para o lugar de Mendonça. Isto possibilitaria a volta de Valdir do Bujão e o apoio financeiro de Celso Oliveira. Mendonça deu murro na mesa e lembrou que ele tinha uma eleição certa para vereador e o grupo o colocou como candidato na última eleição. Agora terão que o engolirem. Doriedson parece ter batido o martelo e falou para a vereadora Ana Dalva que estava fora da disputa de prefeito. Será candidato a vereador mais uma vez.

Farinha pouca

Se for verdade o que andam dizendo pelos cantos, a oposição precisa reagir, e urgente. Rolou uma outra pesquisa no município e o Poucas & Boas não conseguiu descobrir o pai da criança. Além de Thiago Andrade aparecer na frente de Mendonça (23 a 18), colocaram os nomes de Fabinho do Bar, Zé do Sertão e Doriedson. Ou seja, deve ser alguém que está querendo prejudicar Mendonça. Todos sabem que aqui há dois grupos. Numa pesquisa, para se aproximar da realidade, o número de candidatos deve ser idêntico para evitar favorecimento a um lado. E a pesquisa foi feita por alguém do grupo da oposição. Como não foi favorável, já há vereadores pelos cantos dizendo que se a farinha for pouca, meu pirão primeiro.

Ana Dalva esclarece

A vereadora Ana Dalva deixa claro que disse, e não pediu segredo a ninguém, que seria a candidata a prefeita do grupo dos pardais, se assim eles quisessem. Agradeceu aos que citaram o nome dela para vice de Mendonça, mas não há nenhuma menor possibilidade de isso acontecer. Até mesmo a escolha dela para prefeita do grupo já está comprometida, porque ela já deu a palavra de apoio a Thiago Andrade e só vai desdizer o que disse se os caminhos planejados não forem seguidos. Pediu, inclusive, que tirasse o seu nome dos prováveis prefeituráveis. Ela diz que segue o que o povo deseja e o nome dela ainda não é aquele que o povo quer para sentar na cadeira de prefeito. Segue na vereança, portanto, e espera contar com os amigos.

A virada dos Castros

Alguém precisa coordenar as ações políticas do grupo de oposição. Não há organização. Parece que só colocam os nomes e vão dançando conforme a música. É visível o nível de um mínimo de trato nas ações do grupo liderado pelo prefeito Ildinho, embora ainda precisando melhorar. Não vamos aqui ensinar a quem está na estrada há muito tempo, mas o apoio perdido da família Castro, no povoado Cajazeiras, serve para alguém acender a luz amarela. Agora, a possibilidade de vitória de Thiago por lá ficou mais visível. E o problema vinha se arrastando há mais de ano. Quando os projetos individuais tomam o lugar do coletivo, o resultado é catastrófico. O que restou fazer os governistas fizeram, e deram boas-vindas a Claudio e seus familiares.

Félix Mendonça

João de Deus e Thiago Andrade convidaram o prefeito Ildinho e Beto Fonseca para uma conversa no escritório do deputado Félix Mendonça (PDT) em Salvador. A conversa aconteceu na segunda-feira (03). Ainda não foi batido o martelo, mas o deputado deixou todos bem a vontade para decidirem o melhor caminho, e que ele apoiaria o que fosse decidido pelo grupo. Uma reunião será feita com todas as lideranças para fechamento da questão. Thiago Andrade e Beto Fonseca estão articulando este encontro, até mesmo para acabar com esta história de que alguém não apoia alguém dentro do grupo.

Alívio de Valdé

Na conversa em Salvador, estava o presidente da Câmara Municipal de Heliópolis, vereador Valdelício Dantas da Gama. O presidente do legislativo estava incomodado porque tinha um compromisso com o deputado João Bacelar e não se sentia bem estar no escritório de outro deputado, já que sempre foi um homem de palavra. Félix Mendonça soube do seu incômodo, foi ao escritório vizinho e trouxe o deputado João Bacelar. No início, ficou surpreso e preocupado com a presença dos dois, mas, depois, veio o alívio. Félix disse a ele que poderia continuar apoiando João Bacelar se quisesse. Eram amigos e isso não causaria problema nenhum.

Vítor do Tijuco

Ele já não esconde mais a ninguém: Vitor Marrocos quer ser candidato a vereador no povoado Tijuco. Ele deixou bem claro que não vai atrapalhar Manoel ou João de Deus. Há um espaço vazio que ele acha ser capaz de cobrir e disse que é chegada a sua hora. Jovem, bem disposto e com uma enorme vontade de ajudar as pessoas, quer ser a voz de uma nova política. E deixa bem claro que sua base é o Tijuco, mas vai palmear cada canto de Heliópolis para garantir sua eleição. Finaliza dizendo que veio para somar e não dividir. Bom menino.  

Landisvalth Lima

Professor, escritor e jornalista. Editou os jornais A Voz da Região (Serrinha-Ba), Tribuna do Nordeste (Ribeira do Pombal-Ba) e A Voz do Sertão (Heliópolis-Ba). Trabalhou na Rádio Difusora de Serrinha e foi repórter colaborador dos jornais Correio da Bahia e Jornal da Bahia. É autor dos livros A mulher do Pé de Cabra, Cariri Sangrento e A Esquerda Bastarda (romances); Patologias Educacionais do Semiárido Baiano (Tratado) e O Avesso do Exato (poesia). Foi professor de Língua Portuguesa dos colégios Brasilia e Colégio do Salvador (Aracaju-Se), Waldir Pires (Heliópolis-Ba), Evência Brito (Ribeira do Pombal-Ba) e Colégio Professor João de Oliveira (Poço Verde-Se). Atualmente mantem o Landisvalth Blog, é professor e Vice-Diretor do Colégio Estadual José Dantas de Souza e administrador e editor do Contraprosa.

Deixe uma resposta